Skip navigation

Entre avanços e retrocessos, a mulher deixou o lar, delegou em outrem (parte) da educação dos filhos, começou a obter o seu próprio salário. Portugal, país de brandos costumes, não foi excepção e a taxa de participação feminina no mercado de trabalho conheceu um crescimento significativo nas últimas décadas.O cenário parece, de facto, auspicioso: a mulher sai de casa, liberta-se do cordão de dependência do marido, que lhe fora secularmente imposto; apresenta-se como um membro da sociedade emancipado e auto-suficiente. Contudo, o panorama não é tão agradável como desejaríamos. Não obstante o ingresso feminino no mercado de trabalho, este apresenta ainda uma estrutura marcadamente masculina que marginaliza a mulher. Sustenta-se ainda que a esfera pública é, por natureza, o espaço do homem enquanto o da mulher é remetido para a esfera privada ou doméstica.
Para comprovar as minhas asserções, atentemos nos traços característicos mais proeminentes da realidade laboral portuguesa:

– A participação feminina no mercado de trabalho é, de facto, incontestável. Todavia, não nos deixemos seduzir por meros valores, pois apenas nos induzem em erro. Não podemos olvidar a maior susceptibilidade feminina no que concerne ao desemprego. Com efeito, a taxa de desemprego da mulher é muito mais insinuante do que a do homem. No segundo trimestre de 2006 (INE, Estatísticas do Emprego), a taxa de desemprego dos homens foi de 6,4% enquanto a das mulheres ascendeu aos 8,3%.

– A entrada massiva das mulheres no mercado de trabalho contribui para a sua emancipação. Porém, a máxima “salário igual para trabalho de valor equivalente” é assaz adulterada. Em média, os salários das mulheres são nitidamente inferiores aos dos homens, mesmo nos níveis de qualificação mais elevados.

– Qualquer situação desviante da norma é punida (hipocritamente): veja-se o caso da gravidez, por exemplo. Quantas mulheres são demitidas pelo facto de terem engravidado? Não raras são as entrevistas de emprego que levantam uma questão assaz pertinente: quando pretende ter filhos? Mais. Quantas mulheres protelam a maternidade em virtude dos desejos da entidade patronal?

– As mulheres estão em maioria nas universidades – é um facto inegável. Contudo, coloque-se a questão: será que detêm o mesmo estatuto que os homens? Por um lado, há uma concentração feminina num conjunto restrito de actividades profissionais, a saber, serviços pessoais e domésticos, saúde e acção social e educação – segregação horizontal. Por outro, a nível da verticalidade do mercado de trabalho, verifica-se uma maior prevalência das mulheres nos níveis inferiores da hierarquia profissional, ou seja, à medida que aumentam os níveis de qualificação, a concentração feminina diminui – segregação vertical.

– A violência laboral transfigurada no assédio moral e sexual torna-se cada vez mais evidente e nefasta para as relações entre os indivíduos. O assédio moral corresponde a tentativas de descredibilizar, escarnecer, menosprezar manifestadas por um indivíduo em relação a um que lhe é hierarquicamente inferior. Esta forma de violência é, frequentemente, exercida sobre mulheres que retomam as suas funções laborais após um interregno para usufruir da licença de maternidade. O assédio sexual consiste, por seu turno, num comportamento de cariz sexual indesejado por quem é objecto da mesma. Traduz-se em suborno sexual (a vítima é aliciada com oportunidades de formação profissional, promoções, aumento de salário se aceder aos “pedidos” que lhe são colocados); comentários inoportunos, agressões físicas, posturas sexuais. De notar que, uma vez que as mulheres estão escassamente representadas nas posições de chefia, as vítimas de assédio sexual são maioritariamente do sexo feminino.

“Nem tudo o que parece, é”. A menção desta expressão não poderia ser mais oportuna.
O facto das mulheres participarem no mercado de trabalho não significa que detenham o mesmo estatuto e oportunidades que os homens. Pelo contrário, parece que deixaram a subserviência doméstica para serem marginalizadas no emprego!
A igualdade, essa, ainda está longe de ser uma realidade.

Anabela Santos
AnabelaMoreiraSantos@sapo.pt
Anúncios

2 Comments

  1. Na óptica sociologica, a meritocracia e o desempenho no mercado de trabalho assumem directrizes irregulares ou desigualitárias. As oportunidades e as trajectórias nos termos da aptidão moral e/ou social são conseguidas desiquilibradamente. Ou seja, porque ao homem é concedida a Racionalidade, o uso da força física e do controlo emocional, as insttituiçoes profissionais empregam estereotipos e não profissionais de mérito. Tardiamente, as mulheres conseguiram manter algum protagonismo de mérito na envolvente do trabalho; no entanto, as escadas do esforço social debatem se com a encruzilhada da diferenciaçao: os homens são aqueles que ganham mais, ocupam lugares de chefia (as mulheres apresentam valores percentuais mais baixos, em termos relativos) apesar de serem as mulheres aquelas que contribuem maioritariamente para uma grande fatia da riqueza do país (PIB). A hierarquia operacional indica-nos ainda uma nota de configuraçao: ainda hoje as empresas apelam a que os homens ocupam lugares de administração e as mulheres envolvem se em quadros operacionais, de baixa qualificaçao social (desconcertante ou entrando em descredito com o seu valor real, na esfera do conhecimento).

  2. feminismo= a pobreza de espirito


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: