Skip navigation

“ Não te deixes dominar pela tua mulher para que não usurpe a tua autoridade e fiques humilhado.” (Eclesiástico, “Bíblia Sagrada”)“A mulher não tem poder sobre o próprio corpo, mas sim o marido.” (Carta de S. Paulo)

“A mulher casada cuida das coisas deste e de como há-de agradar ao marido.” (Carta de S. Paulo)

“Que as mulheres sejam submissas a seus maridos como ao Senhor, pois o marido é a cabeça da mulher como Cristo é a cabeça da Igreja, seu corpo, do qual Ele é salvador. E como a Igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres se devem submeter em tudo aos seus maridos.” (Carta aos Efésios)

“Assim os maridos devem amar as suas mulheres como os seus próprios corpos”. (Carta aos Efésios)

“Era assim que outrora se adornavam as santas mulheres que esperavam em Deus, eram submissas a seus maridos como Sara que obedecia a Abraão, chamando-o seu Senhor.” (1ª carta de S. Pedro)

“O homem deve amar a mulher com juízo e não com paixão!”

“…em relação à própria [à mulher] o amor é vergonhoso, em relação à outra é excessivo.”

Atentando em algumas paráfrases ou citações destacadas no livro da boca sagrada e da mente espiritual, considero que o sobrenatural existe em tudo: na religião, mas também na atitude extra mundana que categoriza e representa ilegitimamente a mulher pelo domínio, pela submissão, pela exploração, não apenas sexual, mas muito mais ainda, social no sentido da diferenciação e do uso da mulher como uma simples propriedade pública. Ora, alguns arquétipos traçam eixos simbólicos de irregularidade: ao homem o seco, à mulher o húmido; ao homem o exterior, à mulher o interior; à mulher a natureza, ao homem a agressão natural. Isto é, o homem justifica-se pela racionalidade e a mulher pela emotividade. No entanto, algumas vozes da consciência analítica advogam que por o homem perder a capacidade do lado afectivo, isto traduz-se, impreterivelmente, numa perda e não num ganho, apesar da persistência redutora da sociedade em considerar que “um homem não chora”. Assim, desde logo homens e mulheres demarcam-se pelo estado de fortaleza do homem versus estado de fragilidade e de anemia da mulher: a mulher tem a função expressiva e de reprodução e o homem a função instrumental, de “ganha-pão”. Nesta linha de pensamento, verifica-se que a condição humana terrena deriva dos contraditórios ensinamentos religiosos que só poderá ser domesticada e combatida aliando massas e vozes com sentido. Portanto, prima-se uma situação criada e mantida muito mais por motivações ideológicas do que religiosas, mas como religião e ideologia sempre caminharam juntas, a injustiça permanece até hoje, embora revestidas por uma cobertura “politicamente correcta”. Um dado importante é o de que a ideologia deu primazia ao masculino e reservou à mulher posições de menor destaque e participação na sociedade que antecedeu a escritura dos textos sagrados que fundamentam as religiões monoteístas. Assim, inicialmente a cultura foi transmitida ao livro sagrado e, posteriormente, o texto, que marcou a cultura e os costumes das sociedades monoteístas, acabou por reforçar, desigualitariamente, a posição masculina de destaque. Isto traduz-se, neste sentido, no reflexo da inadequação e da tradição societais. Ora, o ministério feminino dos tempos apostólicos criaram o seguinte sistema de politicas de “falso” género: no judaísmo não era permitido que as mulheres estudassem as leis de Moisés; alguns sábios judeus asseveravam que mais valia a pena queimar a lei do que ensiná-la a uma mulher e a posição da mulher no judaísmo era mais inferior que a do homem e, portanto, alguns rabinos chegavam ao extremo de pensar que as mulheres não tinham alma. Neste sentido, “Se os homens, se a cultura e a tradição impõem limites à missão feminina, o Espírito de Deus agirá de forma silenciosa, como agiu com as nossas mulheres bíblicas. Se as mãos dos homens, ao escreverem a Bíblia, deixaram-se levar pelo costume e pela tradição que dava precedência ao masculino, Deus reservou para si o espaço branco, para falar no silêncio àqueles ou àquelas que se põem a meditar em cada uma das palavras, em cada facto, em cada acontecimento da história humana.”Justeza Social? Crença na igualdade com base na obediência?! Não creio, nem encontro justiça.
Emerge, então, um estado de pânico moral, isto é, um estado de “violência-anomia” que resulta da proliferação das relações agressivas em sectores desregulados da Sociedade. Num duplo sentido: a igreja enfraqueceu a regulação da balança de género com o desenvolvimento do crime disfuncional de género (conjuntura de submissão).

Desta forma, há no fundo uma espécie de violência sacrificial que passa, em primeira instância, pela implementação do sacrifício feminino, na medida em que se trata de uma politica, ironicamente.

Ana Ferreira (anarafaelaferreira@gmail.com)

5 Comments

  1. mulher= desigualdade perante sexos
    mulher= vida
    mulher= força
    mulher= espirito de sacrificio
    mulher= beleza interior
    mulher= esperança
    mulher= simplicidade
    mulher= humildade
    mulher= ser inferior

    homem= superioridade
    homem= força motora
    homem= chefe de casa
    homem= autoridade

    onde está a igualdade de direitos?
    onde está a liberdade?
    bjs

  2. touxe: o mal da indiferença agradece esta analise conceptual e comparativa.

    fica bem. cumprimentos do mal da indiferença

  3. Seu texto contém inverdades e demonstra o quanto nao compreendes da Voz Divina.
    Em nenhum momento Deus determina superioridade do homem sobre a mulher. É certo que fisicamente existe a desigualdade, mas daí dizer que Deus fez assim, é mentira.
    Deus salvou a mulher adultera da morte… primeiro apostolo(a) foi uma mulher, uma mulher ungiu a cabeça de Deus antes de sua morte, Deus proibiu o divórcio e o desamparo da esposa, Deus viajou a Samaria para salvar uma samaritana sedenta de amor por Ele… a primeira pessoa a ver Jesus ressuscitado foi uma mulher. Quando Paulo diz que a mulher deve obedecer ao homem como cabeça, no contexto, primeiro a mulher deve obedecer a Jesus, assim tambem para o homem, deve seguir o exemplo de Jesus que ama e cuida da sua mulher, a Igreja. Então ambos devem escolher o amor reciproco e obedecer. Se Todos compreendessem o que a Biblia diz “misericordia quero e não sacrificio”, voce com certeza não escreveria essa crítica.

  4. Seu texto contém inverdades e demonstra o quanto nao compreendes da Voz Divina.
    Em nenhum momento Deus determina superioridade do homem sobre a mulher. É certo que fisicamente existe a desigualdade, mas daí dizer que Deus fez assim, é mentira.
    Deus salvou a mulher adultera da morte… primeiro apostolo(a) foi uma mulher, uma mulher ungiu a cabeça de Deus antes de sua morte, Deus proibiu o divórcio e o desamparo da esposa, Deus viajou a Samaria para salvar uma samaritana sedenta de amor por Ele… a primeira pessoa a ver Jesus ressuscitado foi uma mulher. Quando Paulo diz que a mulher deve obedecer ao homem como cabeça, no contexto, primeiro a mulher deve obedecer a Jesus, assim tambem para o homem, deve seguir o exemplo de Jesus que ama e cuida da sua mulher, a Igreja. Então ambos devem escolher o amor reciproco e obedecer. Se Todos compreendessem o que a Biblia diz “misericordia quero e não sacrificio”, voce com certeza não escreveria essa crítica.

    Ronaldo Dias

  5. Caro Ronaldo:

    O que a Biblia diz é o espelho da sua prática, portanto, acredito, que aquilo que teoricamente é exposto reflecte em muito o que na prática se faz sentir: subalternização e marginalização da mulher em relação ao homem. No meu ver, eu nao sou extremista nem radical porque nao advogo a supremacia da mulher em relação ao homem, apenas a igualdade na medida em que ha um desequilibrio funcional entre ambos. Creio que ainda ha diversos codigos de honra ligados ao homem e de vergonha ligados à mulher. Se a religiao fala em humildade, teoriza-se no termo da “obediencia” da mulher em relaçao ao homem?! Compreendo a sua posiçao, mas tambem nunca ouvi a posiçao de Deus, apenas o que esta escrito. Tenho fé, acredite, essencialmente na igualdade, coisa que nao se tem vindo a verificar. Nao torno a coisa publica em maos de privados (deus) mas essencialmente na Sociedade, na responsabilidade da Sociedade em descodificar termos como “obediencia”, “submissao”, etc.

    Obrigado pela sua critica.

    Ana Ferreira


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: