Skip navigation

dsc09845.jpg

Em 2007, 21 mulheres foram assassinadas, vítimas de violência de género nas relações de intimidade, revelou, ontem, a União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), numa conferência de imprensa, no Porto. A vice-presidente da organização, Maria José Magalhães, distinguiu que a violência doméstica é um “crime que a sociedade portuguesa pode evitar”.

De acordo com os dados do Observatório de Mulheres Assassinadas da UMAR, às 21 mulheres assassinadas pelos maridos, companheiros, namorados, ex-maridos, ex-companheiros e ex-namorados, acrescem três vítimas associadas: duas crianças, uma de cada sexo, e uma jovem.

Em 2007, 57 mulheres foram ainda vítimas de tentativas de homicídio, incluindo seis vítimas associadas (filhos e pais das vítimas). 

Em relação à idade das vítimas mortais, Maria José Magalhães explica que “há uma relação de transversalidade das vítimas”. No que se refere aos homicídios, “é na maturidade que há um maior número de vítimas mortais”, designadamente na faixa etária dos 36-50 anos e na dos 24-35 anos. Nas tentativas de homicídio, verifica-se uma concentração nas idades compreendidas entre os 36 e os 50 anos, bem como nas mulheres maiores de 51 anos.

A nível da distribuição geográfica, Lisboa, Setúbal, Porto e Leiria são os distritos onde ocorreram mais mortes. Também a capital, Aveiro, Porto e Santarém são as regiões que exibem maior número de tentativas de homicídios.

Desde 2004, o número de mulheres assassinadas tem vindo a diminuir, registando-se, em 2007, uma descida significativa em relação ao ano de 2006 (37 mortes). Para Maria José Magalhães, “a sociedade portuguesa tem tido alguma atenção e capacidade para combater a violência doméstica”. É necessário, porém, uma aposta contínua na optimização das plataformas preventivas.

O estudo do Observatório resultou do cruzamento de notícias, dados oficiais da PSP, da Polícia Judiciária e do Instituto de Medicina Legal. “São dados por defeito, na medida em que temos a certeza que encontraremos mais casos”, advertiu a activista da UMAR.

Anabela Santos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: