Skip navigation

postar-2.jpg

A pluralidade das vozes das mulheres, a diversidade das suas experiências e peculiaridades são as componentes fundamentais do feminismo. Esta foi a conclusão da primeira sessão da tertúlia “Onde estão as Simone de Beauvoir?”, realizada, ontem, no Estaleiro Cultural da Velha-a-Branca, em Braga.

De acordo com a representante da UMAR, Maria José Magalhães, que interveio na temática “Feminismos, Cidadania e Movimentos Sociais”, o feminismo é um conceito “polissémico”, composto por diversas correntes e perspectivas. “É a pluralidade que dá riqueza ao feminismo e lhe confere a sua unicidade”, asseverou Maria José Magalhães.

A dirigente da UMAR deteve-se ainda na necessidade do conceito de Cidadania possuir um carácter “inclusivo”. “O feminismo teve um papel importante no sentido de trazer para o interior da Cidadania as mulheres”, mas “este conceito não é completamente aplicado à vida das mulheres”. Para a activista, “as mulheres continuam em situação de desigualdade em relação aos homens, no trabalho, na família, na participação política, na vida conjugal”.   

blogue1.jpg

Na primeira sessão da tertúlia esteve também presente a docente da Universidade do Minho (UMinho), Zara Pinto Coelho, que abordou a temática ‘Mulheres e Média’.

A académica explicou que a presença das mulheres nas redacções não se reflectiu numa mudança da imagem feminina no discurso jornalístico, pois “não eliminou os estereótipos, que prejudicam a auto-percepção das mulheres e limitam os seus papéis sociais”. 

A professora da UMinho acredita que as mulheres que entram nas redacções sofrem um “processo de aculturação”, que as afasta de questões femininas. No entanto, Zara Pinto Coelho adverte: “Não é por ser mulher que uma jornalista vai produzir um discurso mais verdadeiro sobre as mulheres”. Para fazer a diferença, é necessário que a jornalista possua uma consciência política e integre na sua “identidade de género uma subjectividade feminista”. “Sem uma compreensão feminista do mundo, o risco de sucumbir à objectividade jornalística é muito maior”, enfatizou a docente, acrescentando que “seria importante introduzir nos currículos universitários uma perspectiva feminista”.  

A iniciativa contou ainda com a presença da Presidente da Associação Portuguesa de Investigação Histórica sobre as Mulheres (APIHM), Maria Helena Alvim, que homenageou Simone de Beauvoir.

Segundo Helena Alvim, a exigência de autonomia de Simone “nunca a levou a querer ser assexuada ou a conceber-se masculina face às mulheres”. “Ainda que se ufanasse de possuir um ‘coração de mulher e um cérebro de homem’, nunca rejeitou a sua feminilidade, ao mesmo tempo que denunciava o escândalo da condição feminina”, explicou a Presidente da APIHM.

A filósofa francesa “rejeitava com veemência o feminismo da guerra dos sexos, pois via nele uma atitude de provocação”. “O que a incomodava profundamente era o fosso que segregava o mundo humano, impedindo as mulheres de se tornarem conscientes”, sublinhou a convidada.

A segunda sessão da tertúlia “Onde estão as Simone de Beauvoir?” decorre, hoje, às 21 horas, no Estaleiro Cultural da Velha-a-Branca, em Braga. Na agenda temática constam a “Conciliação da vida familiar e profissional”, abordada pela bolseira da Fundação Ciência e Tecnologia, Cristina Pereira, e a “Mulher na Publicidade”, apresentada pela docente da Universidade do Minho, Silvana Mota Ribeiro.

Anabela Santos

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: