Skip navigation

Monthly Archives: Julho 2006

“Il se cache au fond de leur vie des faits destructeurs qui les ont amenés à la prostitution. “
Depuis 1946 le Mouvement du Nid lutte au quotidien pour l’abolition de la prostitution, la considérant une atteinte directe aux droits de l’Homme. Il désire une politique globale et cohérente pour en finir avec se fléau de la société car il défend que la légalisation ne ferait qu’ouvrir des débouchés aux trafiquants.
A ma demande une militante a accepté de me donner son opinion a propos de la légalisation de la prostitution. Voici son témoignage:Personnellement je suis abolitionniste, je refuse la vente du corps humain et je crois que si nous nous sommes battus pour l’abolition de l’esclavage, nous pouvons aussi abolir la prostitution.

Pour ce qui est du réglementarisme, il faut prendre pour exemple les pays qui ont adopté les lois pour réglementer l’acte prostitutionnel.
La Hollande, envisage même la dépénalisation du proxénétisme .Dans ce pays on relève une importante évolution de la prostitution .Le plus grave la prostitution infantile le nombre est passé de 4000 enfants en 1996 à 15000 en 2001.Les bordels ont évolué de 2000 à 7000 il faut dire que c’est très lucratif. Le marché et la commercialisation du corps humain vient en tête de tous les trafics. “Planète sexe de Michel FRANCK”.”Journal de l’Humanité Dimanche”
L’Allemagne elle n’est pas en reste on a vu dernièrement ce que l’être humain est capable de faire envers ces congénères, c’est 40 000 femmes chiffre officiel, qui ont été déplacé pour assouvir un désir primaire chez certains mâles humains (si on peut encore dire qu’ils sont humains)
On ne cesse de relever une augmentation globale du fait prostitutionnel.

Plusieurs choses sont mises en cause : l’image du corps humain véhiculé par les médias particulièrement la télé et les journaux ; les clips pour les jeunes, où l’on met facilement des femmes en cage et dans des positions plus ou moins douteuses (rapport de jeunes collégiens de 14 à 16ans) ; la banalisation de l’acte sexuel ; la manipulation de notre jeunesse pour une consommation à outrance qui entraîne chez les plus faibles vers la prostitution et à la drogue.

Je crois que nous sommes toutes et tous concernés par ce phénomène de société.
Les solutions existent mais beaucoup ont peur d’être ridicule. Quand nous demandons plus d’éducation à la sexualité et au respect de l’être humain et d’ailleurs de la nature en général.
Une considération de la femme au foyer et de la femme en général.
Une place entière dans notre société, mais cela fait très peur à certains hommes, pourtant il est très intéressant l’avis des deux.
Nous sommes très différents et complémentaires.
Les médias écoutent les personnes qui “se trouvent bien dans la prostitution”, 15 % de la population des personnes concernées et encore lorsque nous les rencontrons individuellement nous ne sommes pas surpris qu’il se cache au fond de leur vie des faits destructeurs qui les ont amenés à la prostitution.
Qui peut prétendre qu’un jour ou l’autre on ne s’est pas caché derrière un masque pour montrer que “l’on va très bien”

Je suis une “chercheuse” et de jour en jour ma conviction se renforce dans l’abolition de la prostitution.

Militante de la région Est.

Pour plus d’information:
http://www.mouvementdunid.org/
Sylvie Oliveira

“Toda a ideologia é relativa; absolutos são os tormentos que infligimos uns aos outros”.(Gunsbourg)

Etimológica e sociologicamente falando, poder-se-á compreender que a “Escravatura” se apresenta pela dependência de um determinado grupo social ou subcultura em relação aos regimes económico, politico, religioso e institucional, dominantes, de um outro grupo social ou subcultura e que condiciona, o primeiro, a um conjunto de obrigações, privando-o da sua liberdade. Ou seja, nos termos da sua génese a “escravatura” implica, previamente um pacto artificial, enfatizando a transferência de um conjunto de direitos e de obrigações. Portanto, esta obrigação é uma concessão ou prestação auto e hetero imposta e resulta, por sua vez, de uma criação humana na base de um consentimento não mútuo, mas individualizado / artificial. Este fenómeno engloba práticas de violência, no seu limite e pressupõe a alienação da Sociedade (venda, doação de uma parte de alguém para outrém), sem respeitar a dignidade moral e a natureza humana. Inseridas nas teias de uma rede de contratos artificiais ou ilícitos, as mulheres inserem-se num quadro de marginalização e de ocultação da sua liberdade visível em duas principais formas, práticas ou comportamentos de “Escravatura”nomeadamente o tráfico de mulheres e de crianças para exploração sexual e prostituição. O primeiro fenómeno representa-se, na sua forma agravada, pela violência sexual, incompatível com o artigo nº 2 enunciado pela “Declaração Universal dos Direitos do Homem” (“Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, de cor, de sexo, de língua, de religião, de opinião política ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, de nascimento ou de qualquer outra situação.”). Grande parte destas mulheres e crianças são, na sua maioria, atingidas pela pobreza (vivem abaixo do limiar médio da sobrevivência básica) e são condicionadas por promessas de uma estabilidade financeira e monetária. Inconscientemente, estas mulheres e crianças passam a estar envolvidas num crime organizado. Milhares de mulheres são reduzidas à escravatura. Segundo Inês Fontinhas, socióloga de base, “existem autênticos campos de sujeição onde as raparigas são violadas, domadas”. De facto, ao longo da história dos tempos, as ideologias e as formas de comportamento atribuem determinadas disposições e capacidades aos indivíduos ou grupos simplesmente por causa do sexo a que pertencem. “Trata-se de uma forma de discriminação que conduz à subalternização, à marginalização ou mesmo à exclusão de pessoas ou grupos com base no seu sexo”- fala-se em comportamentos sexistas. Assim, as mulheres encontram-se numa posição de definidas e nunca de definidoras deste tipo de comportamento desviante. O discurso sexista leva-nos a uma dicotomia de desigualdade marcada por uma “naturalização” da mulher versus “racionalização do homem”. Vincadamente desordenado, o discurso da cultura sexista promoveu a identificação da razão como princípio superior à natureza feminina. Neste sentido, expõe-se práticas desigualitárias e discriminatórias de todo o tipo, a começar pelas formas de pensamento de uma escravatura moderna: sublinhamos, por exemplo, a prostituição feminina. Atentemos nos seus principais fundamentos:

· A prostituição é uma forma de escravatura;
· A prostituição não é uma escolha;
· A prostituição não é a mais antiga profissão do mundo;
· A prostituição não é um mal necessário;
· A prostituição organiza-se em torno de uma rede económica com fins lucrativos não para as agentes mas para os ditos investidores.

(Dados provenientes do Movimento Democrático das mulheres)

Assim, os valores da igualdade e da dignidade sobrepõe-se ao mercantilismo (laissez faire, laissez passer) que aprisiona as mulheres num todo conjunto, complexo e articulado de estratégias para a obtenção de máximos lucros. De outra maneira, fala-se de uma nova escravatura da globalização capitalista. O apelo continua e o esboço ganha forma: “Ninguém deve ser tão rico que possa comprar os outros, nem tão pobre que tenha de se vender”.

· 12 000 Milhões de Euros é o lucro anual de tráfico de seres humanos no Mundo.
· 30 000 Euros é o ganho médio estimado com o comércio de cada Ser Humano.
Fonte: INE, 2004

Ana Ferreira


Hoje comemoramos um ano de existência do nosso projecto. Aproveitamos a ocasião para agradecer a todos os visitantes, os que comentaram, aos anónimos, aos apoiantes, aos entrevistados, a todos os que participaram na construção d’ O Mal da Indiferença.
“Bien trop de femmes dans bien trop de pays parlent la même langue : le silence.”
ANASUA SENGUPTA
Sylvie Oliveira

As Nações Unidas definem violência contra a mulher como:“Qualquer acto de violência baseado na diferença de género, tendo como resultado sofrimentos e danos físicos, sexuais e psicológicos da mulher, inclusive ameaças de tais actos, coerção e privação da liberdade seja na vida pública ou na vida privada.”

(Conselho Social e Económico, 1992)

O historial deste enunciado leva-nos a considerar que a violência existe desde que o sistema patriarcal se instalou, ou seja, a Sociedade cedeu lugar à dominação masculina. Assim, a mulher deixou de ter um valor privado para passar a ter um valor público: nos termos económicos, a mulher é vista, nas Sociedades Hodiernas, como uma mercadoria preciosa, negociável e submetida a toda a espécie de violência. Com o processo de Civilização das Sociedades do qual falava Norbert Elias (este é um processo de longa duração: a escala muda o seu fenómeno) fala-se do da “estilização e da estetização da Vida [e logo da mulher]” no sentido de sublinhar a elegância e a graciosidade femininas levadas ao extremo, apresentando como consequência: a violência. Teoricamente, este processo conduzia a Sociedade a um auto-controlo, a uma auto-contenção e a uma auto-censura, o que não se veio a constatar, na prática. As necessidades de lidar com os impulsos e com as agressões são, cada vez menos, controladas e ilimitadas. Por isso, segundo as estatísticas, a violência tem registado níveis ascendentes, constatando-se que este é um problema social que não se limita ao campo da saúde pública, mas direcciona-se essencialmente ao campo da violação dos direitos Humanos. Desta forma, passo a clarificar alguns termos fundamentais na esfera problemático-social:

· Violência Sexual: esta é uma prática que engloba os comportamentos de abuso, violação e assédio sexual. Este termo designa o uso da força destinada a exercer uma coacção física, de carácter individual ou colectivo que exercida, na sua maioria, pelo homem sobre a mulher, lhe permite comportar vários graus e assentar em níveis diversos, como a fé, a liberdade ou a integridade física.

· Abuso Sexual: esta é uma prática ou acto sexual levados ao extremo/ até às suas ultimas consequências, face a um menor ou do sexo oposto ao agressor. Estas práticas, etimologicamente falando, são de carácter exibicionista perante o outro (esse outro normalmente é uma mulher ou uma criança), obscenidade escrita ou oral, obrigatoriedade em assistir a espectáculos pornográficos e uso desses agentes (crianças e mulheres) para fins pornográficos.

· Violação Sexual: esta é uma forma de violência e de abuso sexual que a maior parte das leis define como agressão sexual com penetração sem consentimento mútuo. Esta prática condiciona a liberdade do outro, obrigando-o a aceitar comportamentos sexuais que não deseja.

· Assédio Sexual: forma de pressão sobre a outra pessoa (esse alguém é, mais uma vez, uma criança ou uma mulher), com o fim de lhe impor práticas não desejáveis.

Após esta conceptualização, verifica-se nos termos metafóricos que as promessas, os juramentos de fidelidade eterna perante alguém que está acima do terrestre (a visão católica valoriza o topo em detrimento do terrestre, logo a salvação da alma estará assegurada se os actos, intra e extra mundanos, forem praticados de uma forma legitima, coerente e justa), num simples acto de aliança, é cada vez mais, descredibilizado, pois a prática deforma o sentido teórico (palavra) da crença. Ao longo da História, encontramos casos de violência sexual: da Bíblia às guerras do século 20, passando pela mitologia greco-romana e pela Idade Média. Actualmente, a violência é combatida nos países desenvolvidos e naqueles países onde as condições básicas de Vida são deploráveis assiste-se a acções de curto-prazo. As campanhas de sensibilização são em numero limitado, logo precisamos de campanhas de associações e de movimentos de ordenamento e de planeamento, de longa duração. Este é um exemplo, entre muitos outros, que nos fazem reflectir na artificial aliança de fé e de fidelidade eterna: “Até que a morte nos separe?”.

Ana Ferreira

“I just get turned on very much by Orientals. They’re completely different. You… take a girl from a bar, and it might be eleven or twelve at night, and you have a shower and get in bed and have sex, and then most guys go sleep till next morning. Then they’ll have a bit more in the morning and then she’ll go. I’ve had them in the morning tidy up the room, fold me clothes up, even wash me socks, stuff like that. I was quite amazed to see it. I think they might’ve been after an extra tip on top.
You should never fall in love, or you’ll be heartbroken when you leave. They might be heartbroken too. Because quite a few of them have got cuts on their arms here. They cut themselves with a knife. They get drunk and just slash themselves. I find that terrible. When I see a girl, when I’m looking to buy her, I always look at her arms to see what she’s been doing to herself”. [
Bert – turista inglês na Tailândia]
A facilidade com que estes indivíduos manifestam a sua necessidade de comprar os corpos vulneráveis de milhares de crianças é, absolutamente, impressionante. Desejam obter momentos de prazer e jamais questionam o facto de aquela criança permanecer num universo tão obscuro: o da prostituição. O egoísmo e o desdém suplantam-se a qualquer tentativa de ajuda ou manifestação altruísta.
A minha crença no seu humano começa a desvanecer-se perante comportamentos tão execráveis e cruéis, dos quais o Turismo sexual é o mais perfeito exemplo!
Anabela Santos