Skip navigation

Category Archives: Media

A BBC Rússia decidiu colaborar com a maior plataforma de bloggers no país, o LiveJournal.com. O objectivo é contornar a repressão aos meios de comunicação e permitir que a informação chegue a um maior número de pessoas. O LiveReport é o resultado da cooperação, um espaço onde mais de 9 milhões de bloggers contribuem com os seus artigos e reportagens e, por conseguinte, influem na agenda dos media.

A abertura da agenda da emissora britânica aos contributos dos bloggers russos comporta uma redefinição do papel do jornalista: para além da produção da informação, acrescerá às suas funções a recepção, selecção e organização da que vem do exterior. Os cidadãos, bloggers, detêm, agora, um papel activo na difusão da informação.

Recorde-se que a Rússia constitui um dos maiores predadores da liberdade de imprensa. De acordo com os Repórteres sem Fronteiras, 18 jornalistas russos foram assassinados desde 2000. Recentemente, a Duma firmou uma lei que permite a suspensão e encerramento de programas televisivos ou radiofónicos acusados de calúnia ou difamação. Os jornalistas acusados de difundir deliberadamente informações corrosivas da “honra e dignidade” serão punidos com sanções equiparáveis às previstas para actos de terrorismo, extremismo e ódio racial. 

As recentes alterações legislativas no país de Medvedev (ou de Putin?) não auspiciam nada de bom para o exercício do jornalismo e segurança do próprio jornalista. Parecem, pelo contrário, obstruir e ameaçar a busca, análise e difusão da informação dentro do país e do país para o resto do mundo.  

Anabela Santos

Anúncios

bd8470b9e39458f5.jpg

A emergência e popularização dos novos media lançou novos desafios ao jornalismo e ao público e exibiu novas potencialidades. Diferentemente dos meios de comunicação tradicionais (imprensa, rádio, televisão), os novos media quebraram os constrangimentos espácio-temporais; empreenderam dinamismo e velocidade na difusão dos acontecimentos; criaram uma plataforma estribada na hipertextualidade, multimedialidade e interactividade, alargando o espaço público e fomentando o debate. Contudo, as infindáveis potencialidades dos novos canais de comunicação não são imunes às ameaças e pressões que comprometem o exercício do jornalismo nos media tradicionais, designadamente a censura.

Com a aproximação dos Jogos Olímpicos, em Pequim (China), a repressão aos cibernautas, bem como aos jornalistas está a agudizar-se, ameaçando a cobertura chinesa e estrangeira do evento. Actualmente, mantém encarcerados 30 jornalistas e 50 cibernautas e está a investir avultados recursos na obstrução à livre expressão e difusão dos acontecimentos.

Para além da China, a Rússia constitui um dos países onde o exercício do jornalismo e a liberdade de opinião encontram maiores vedações. O caso mais flagrante da repressão exercida na “Rússia de Putin” foi o homicídio da jornalista da Novaya Gazeta, Anna Politkovskaya, em 2006. O assassinato de Anna Politkovskaya junta-se aos mais de 20 homicídios de jornalistas russos, desde 2000.

A repressão faz-se com a mesma ferocidade no ciberespaço que nos meios tradicionais. E, para além da negação de um direito que deveria assumir-se como universal – a liberdade de expressão –, a censura redunda no subaproveitamento ou até mesmo aniquilamento das mais-valias comportadas pelos novos media.

Read More »